Moleira do bebê: 4 coisas que você precisa saber

setembro 29, 2018 0 comments 7701 Visualizações
Moleira do bebê

Muitos pais de primeira viagem costumam ter dúvidas sobre o que é a moleira do bebê e acabam não sabendo ao certo como proceder, quais cuidados tomar ou mesmo qual é a sua função na prática. Por essa razão, reunimos algumas informações essenciais sobre o assunto para pôr fim aos seus questionamentos. Confira!

1. O que é a moleira do bebê

A moleira do bebê, também chamada de fontanela, é uma membrana fibrosa que forma os espaços entre os ossinhos do crânio dele.

Ao todo, os recém-nascidos têm duas delas. Uma que fica próximo à nuca, e a outra, que é mais perceptível, no alto da cabeça.

As moleiras desempenham funções essenciais, como permitir que a caixa craniana possa se contrair durante o parto para facilitar a saída da criança e permitir que o cérebro cresça de forma adequada e protegida, já que ele aumenta cerca de metade do seu tamanho ainda no primeiro ano de vida do bebê.

2. Quando ela fecha

Durante o período onde cérebro se desenvolve e o perímetro da cabeça do bebê aumenta, a moleira acompanha o ritmo natural de ambos os processos e vai fechando aos poucos.

A fontanela menor, por exemplo, costuma estar completamente fechada até o segundo mês de vida do recém-nascido, enquanto a maior fecha entre o décimo primeiro e o décimo oitavo mês.

3. Quando ela está normal

Saber se a moleira da criança está normal é uma preocupação constante dos pais nos primeiros meses de vida.

Contudo, é fácil perceber se há algo está errado apenas observando-a. Por exemplo, se ela não estiver nem funda nem alta, significa que não há nada fora da normalidade.

Em algumas ocasiões também é possível que ela seja pulsátil, porém não se assuste se ocorrer de forma sutil, afinal, a pulsação resulta da pressão arterial do cérebro, especialmente quando o bebê chora.

4. Cuidados necessários

O principal cuidado que os pais devem ter é realizar periodicamente as consultas com o pediatra do neném, pois ele será responsável por estabelecer uma rotina de acompanhamento de medição do diâmetro da cabeça do seu filho. Será nessas visitas ao consultório que ele verificará a moleira da criança e se ela está se desenvolvendo da maneira correta.

Além disso, é importante não apertar ou exercer pressão na moleira do bebê, além de ficar atento ao surgimento de algum sinal de alerta, como:

  • pulsação forte e febre simultânea, que podem ser um indício de hipertensão intracraniana;
  • moleira afundada e bebê com diarreia, que podem significar que ele está desidratado;
  • moleira abaulada — isto é, levantada — e neném com febre, que podem sinalizar meningite;
  • fechamento precoce da moleira (em menos de 6 meses), que pode indicar algum problema congênito e demandar intervenção cirúrgica;
  • demora no fechamento da moleira, que pode ser um sinal de hidrocefalia, ou seja, acúmulo de líquido no cérebro do bebê.

Como você leu, a moleira do bebê é uma área comum e muito importante para todo recém-nascido. Contudo, ela não precisa ser uma fonte de aflição constante, pelo contrário! Seguindo os cuidados necessários que listamos não haverá razões para se preocupar. Portanto, aproveite a paternidade e não se esqueça de ir sempre ao médico com o seu filho!

Aproveite e veja também 6 tarefas que você, pai, pode fazer após a chegada do neném!

728x90 - Moleira do bebê: 4 coisas que você precisa saber

PROCURANDO O CERTIFICADO DE LICENÇA PATERNIDADE RESPONSÁVEL?EMITIR CERTIFICADO AGORA!
+ +