Sala de parto: que lugar é este?

Fernando Dias maio 25, 2016 0 comments 4266 Visualizações
sala de parto

Há 15 anos entro em salas de parto, como pediatra, para receber os bebês. E é lógico que minha percepção é bem diferente do começo da minha a

tividade e também da percepção dos pais. É bom que seja assim, afinal estou ali a trabalho e, na medida do possível, devo deixar a emoção de lado, para atingir o máximo de eficiência.

Vocês vão entrar num ambiente cheio de regras, que são extremamente necessárias. A sala de parto é um ambiente cirúrgico, com risco de contaminação, onde uma vida nova vai chegar. Todo cuidado é pouco… Alguns pais ficam receosos de entrar no bloco obstétrico. Só posso dizer, que é um momento incomparável, e o receio é muito mais baseado em mitos do que na realidade.

Como vocês não entram todos os dias nesse ambiente cheio de regras, e ainda estão lá para esperar seu filho, a sensação provavelmente será de ansiedade, nervosismo e apreensão. Calma!!! Quando o bebê nascer tudo isso vai se dissolver e fazer com que vocês presenciem um dos momentos mais bonitos da vida.

Porém, as pessoas que vocês vão encontrar lá dentro estão totalmente habituadas com as regras do lugar, e estão no ambiente delas. Assim, vocês verão elas agindo de forma muito casual e isso não quer dizer desatenção.

A cama que a gestante vai estar deitada é uma maca, uma cama estreita para que o médico fique bem próximo e facilite as manobras necessárias.

O local por onde o bebê vai nascer ou onde será cortado estará isolado com um pano estéril, que chamamos “campo”. As roupas dos médicos envolvidos no procedimento também são estéreis. A roupa das outras pessoas no bloco obstétrico (anestesista, enfermagem) serão como a sua, uma roupa limpa de bloco não estéril. Além disso, todos estarão de máscara e touca. O pai ou acompanhante ficará ao lado da mulher, sem acesso visual à cirurgia. E lá ele deve permanecer para evitar contaminação dos campos.

Além disso, vocês vão encontrar um foco de luz gigante para iluminar bem os locais onde o obstetra deve avaliar com atenção. Em alguns casos, ele poderá optar por deixar o ambiente na penumbra, para melhor conforto do bebê. Mas ele tem que ter segurança para fazer isso, e é claro que isso depende de cada caso.

O obstetra pode optar por usar um bisturi elétrico, que cauteriza os tecidos. Assim, você pode sentir um cheiro de queimado. Não se desespere, não é um incêndio, está tudo sob controle.

Ele também pode usar um aspirador para sugar o sangue, o líquido amniótico e deixar o campo cirúrgico mais sequinho para quando o bebê nascer.

A gestante fica o tempo todo monitorada. E uma pequena TV mostra a freqüência cardíaca, a oxigenação, a pressão. Esse monitor fica apitando frequentemente, e muitas vezes é para avisar que o sinal não está sendo bem captado. Ou seja, um problema técnico extremamente fácil de solucionar. Relaxe em relação a estes barulhos e pare de ficar olhando para o monitor. O anestesista está lá pra ver isso.

Falando da anestesia, ela serve para tirar a dor, mas outras sensações são preservadas. Na hora que o bebê está sendo expulso (termo médico para o nascimento no parto normal) ou sendo retirado na cesárea, a mulher vai apresentar sensações diferentes, mas não dor. Anestesia geral, aquela que a pessoa fica sedada e inconsciente, é usada em raras exceções na sala de parto. O obstetra conhece bem as indicações deste tipo de anestesia, e vai indicar caso haja necessidade. Portanto, a mãe, ficará acordada durante todo o procedimento, aguardando para ver a carinha do bebê.

Outra coisa que pode preocupar os pais é o uso do fórceps. Forceps é um instrumento cirúrgico, que parece com duas colheres do tamanho de um antebraço. Ele é indicado no final do trabalho de parto, quando o feto está tendo dificuldades para terminar de descer ou as contrações que vinha bem, diminuíram. Quando bem indicado e utilizado, pode salvar a vida de um bebê. Portanto, se seu médico indicou o forceps no final da expulsão do bebê, confie nele, ele está fazendo o melhor.

Como eu disse inicialmente, tudo o que acontece na sala de parto (de bom e de ruim) já foi vivenciando inúmeras vezes pelos profissionais que estão lá. Então, confie nos profissionais que você escolheu, tente vivenciar bem este momento super especial, foque na mulher e no bebê que vai chegar. Despreocupe do ambiente.

No próximo texto vou falar do momento do nascimento, da chegada do bebê sob o ponto de vista dos pais e do pediatra….

Por Ana Ribeiro

Clique aqui e faça sua inscrição no curso “Vou ser Pai. E agora?” um curso inovador com dicas e informações para o Pai de Primeira Viagem.

728x90 - Sala de parto: que lugar é este?